domingo, 22 de janeiro de 2012

Literatura Fantástica que Inspira

Recentemente tive a chance de ler livros fántásticos, não só pelo estilo literário, mas pelo conteúdo inspirador. Uns incentivando a amizade, como os livros de Lucila, a Vampira, da Martha Argel. Outros que incentivam o direito de igualdade entre os homens e as mulheres, como a série Alma e Sangue de Nazarethe Fonseca. Há aqueles que mostram que nem sempre as coisas são o que parecem e que não devemos julgar pelas aparências, como a série Kaori de Giulia Moon e as Crônicas Vampirescas de Anne Rice. Ainda assim não é porque esses livros são inspiradores no meu ponto de vista, que serão para outros. Há aquelas pessoas que vão se inspirar em livros como as séries literárias Harry Potter, Crepúsculo, Vampire Diaries, A Caçadora, Kôra, ou Os Herdeiros dos Titãs. Outros que vão despertar a consciência ecológica após ler O Vampiro da Mata Atlântica. Ou seja, cada um é diferente e único, por isso a visão diferente das coisas.

Perceber esses pontos de vista distintos, me fez pensar na intolerância de uma forma complexa. Não só entre os fandoms, mas quanto as pessoas que discriminam aqueles que, simplesmente, pensam diferentes delas.

Então se a pessoa não gosta de reality show e prefere ler um livro, por exemplo, sobre "vampiro"; o errado é o que lê. Discriminar alguém pela religião também é válido, para aqueles que acham que só a sua fé é a certa e os que não a seguem, nunca prestam.

Por isso, que agredir verbalmente alguém que curte algo diferente, como a literatura fantástica, é algo bem comum. O leitor de literatura fantástica geralmente é considerado maluco e se tiver uma religião, fatalmente será acusado de ser maluco por ter tal fé. E se não seguir religião alguma, a coisa fica mais grave, pois não importa se você faz trabalho voluntário, ajuda em campanhas solidárias... No momento que você revela que não segue religião, vão usar o fato contra você.

Infelizmente foi assim que muitas das violências histórias começaram. Quem julga as pessoas pela aparência, religião, orientação sexual... Não é diferente daqueles que jogaram cristãos para os leões, queimaram mulheres nas fogueiras, ou jogaram aviões contra prédios repletos de trabalhadores. Respeite, para ser respeitado. Não é porque alguém pensa diferente de você, que esteja fazendo algo errado... O que pode ser bom para uns, pode não ser para outros. Ser intolerante e discriminar não é bom para ninguém! Mude sua atitude com os outros, pois são suas atitudes que vão mudar o mundo e não suas críticas.

NOTA: Quem ficou curioso sobre os livros mencionados, a maioria tem post no blog com maiores informações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário