sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Anne Rice no Rio: O encontro da autora com os fãs

Ao som de 'Break On Through', cantada por Jim Morrison da banda The Doors, que começo esse terceiro post sobre a minha saga para ver Anne Rice.

Que Anne Rice já veio ao Rio de Janeiro, todos os fãs da autora das crônicas vampiresca, iniciada com 'Entrevista com o Vampiro', sabem. Agora conversar com os fãs como aconteceu na Bienal na última quarta-feira (7 de setembro) na Bienal do Livro carioca, isso sim é novidade.

No auditório da Bienal em Encontro com autores, a escritora vampiresca mais amada do mundo, respondeu aos fãs sobre suas inspirações para compor seu mundo fantástico, em suas crenças e preferências, no porque de não escrever novos livros de vampiros e tudo mais que os fãs perguntaram. Respondendo perguntas que variaram em "você acredita em vampiros" (Que arrancou gargalhadas dos fãs e da própria autora, que não gosta de afirmar que eles não existem por carinho aos fãs. Revelando que alguns até choram quando fala que, por exemplo Louis, não exite.) até perguntas mais focada nas suas obras, a autora atendeu a todos. Entre as perguntas, ela revelou algo que muitos fãs queriam saber e, pelo menos os brasileiros, nunca tiveram chance de perguntar. Qual cantor inspirou Lestat, ou melhor qual o cantor que se encaixaria em voz, na ideia dela para o rock-star Lestat. Anne Rice não hesitou e deixou transparecer toda sua admiração de verdadeira fã, ao revelar que a voz de Lestat se assemelharia a de ninguém menos que Jim Morrison (já falecido vocalista da banda The Doors).

"E eu nunca mais vou ouvir Morrison cantando, sem lembrar do Lestat", eu pensei encantada e admirada com a resposta.

Anne Rice falou com paixão de Morrison. A mesma paixão que os fãs na platéia a escutavam, atentos.

"Uma lady", a autora Giulia Moon, que estava ao meu lado, comentou e eu concordei.

Lady Rice respondeu todas as perguntas com atenção e carinho, levando vários fãs as lágrimas (eu inclusive). Não dá para explicar, mas a autora tem um luz própria que fascina e encanta. Enquanto Anne falava, maravilhosa e sempre sorridente, eu a escutava desejando que o tempo parasse.

A autora falou do quanto sua cidade natal, Nova Orleans, era importante fonte de inspiração. Também falou sobre sua busca da espiritualidade, por conta de uma educação em colégio católico, dos altos e baixou por que passou sua fé [também influência constante em suas obras] e de quando reafirmou que acreditava em Deus e parou dizer ser atéia.

Anne Rice falou que escreve imaginando seus livros no cinema e revelou o quando desejava ver 'Memnoch' na telona (sua história favorita das crônicas vampiresca), especialmente agora com os efeitos digitais. Imaginando o quanto incrível seria ver Lestat ir ao céu e ao inferno.

"AHHHHHHHH!!!", eu gritei em minha mente, pois era o livro que afinal decidi levar para ser autografado, já que só tinha direito a 1 livro autografado por senha.

No entanto, Anne não hesitou em criticar a adaptação de 'A Rainha dos Condenados'. Afirmando que até se ofereceu para escrever o roteiro e foi ignorada pelos produtores. Em desabafo aos fãs, ela afirmou que até hoje não entende no que pensavam [os produtores], quando resolveram produzir o 'A Rainha dos Condenados' daquela forma, que ela pediu para não fazerem, mas não estavam disposto a ouvi-la.

Uma das notícias que já rolava na internet e que Anne Rice confirmou, foi que mesmo não podendo falar muita coisa ainda, que tinha gente interessada em fazer um filme de Lestat.

Quando um dos fãs falou sobre o fim das Crônicas Vampirescas, a autora falou que escritores precisam pensar no fim de suas histórias e que mesmo amando suas criações, não ia ficar inventando sobre algo que não estivesse enraizado nela. Seria uma decepção tanto para ela como para todos os fãs. Também revelou que em sua mente ainda existia histórias a serem contadas [Confirmando assim que depois dos vampiros, bruxos, demônios e anjos, é a vez dos lobisomens entrarem na lista das obras da autora.]

Lançando a continuação de 'Tempo dos Anjos' na Bienal do Rio, o livro 'De amor e Maldade', Anne Rice também falou um pouco de sua paixão pela Cidade Maravilhosa, que vemos descrita no romance 'Violino', que foi inspirado por uma de suas visitas ao Rio de Janeiro. A autora revelou que sempre quis conhecer a cidade aos pés do Cristo e que começou a escrever o livro num caderno, ainda no Rio, na falta de sua máquina de escrever. Inspirada pela cidade.

Os fãs de Anne Rice, fizeram um verdadeiro bombardeio de perguntas das mais variadas e declarações de amor aquela que para muitos, como a autora Giulia Moon, é a musa dos vampiros. Durante o curto tempo do bate-papo, a autora nos deliciou com suas palavras reveladoras e até mesmo de incentivos, quando um aspirante a escritor perguntou como foi levar suas histórias as editoras e se vampiros brasileiros seriam algo interessante de se ler. Anne Rice não hesitou novamente, revelando que assim como outros autores, teve que batalhar muito e antes de qualquer coisa acreditar no próprio trabalho. Não desistir. Revelando que até de louca foi chamada quando veio com suas "histórias de vampiros".

A possibilidade de sanar as dúvidas que todo fã sempre tem, especialmente os que poucas vezes na vida tiveram a chance de se aproximar do ídolo, fez com que as 375 senhas disponíveis para o encontro com Anne Rice no auditório da Bienal se esgotassem em questão de minutos, deixando aqueles fãs mais tranquilos, que deixaram para ir mais tarde do lado de fora. Por conta disso, houve muita gente em volta da autora durante sua saída do auditório e sessão de autógrafo no stand da Rocco, mas a maioria foi bem comportada, só querendo aproveitar aquele momento único e ter a chance de estar ao lado da musa dos vampiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário