domingo, 31 de outubro de 2010

Não são só para mulheres

Hoje é Halloween, uma data que apesar de alguns associarem a uma tradição do povo norte-americano, é uma festividade de séculos atrás. Tradição das terras irlandesas que migrou para as Américas, assim como a maioria das datas festivas do continente americano. Composto de países que herdaram seus costumes e tradições de países europeus, africanos ou mesmo asiáticos.

Assim como as datas festivas, também as lendas das mais variadas atravessaram os mares e chegaram ao continente americano. No Brasil, as histórias assombradas sempre fizeram a cabeça do povo. Histórias sobre casas assombradas, cemitérios perdidos, mulheres de branco... Tradições que migraram assim como os lobisomens, vampiros e outros seres fantásticos.

Antigamente, com a exclusão das mulheres de qualquer tipo de atividade intelectual, a maioria das descrições desses seres encontradas na literatura fantástica mundial, eram bestiais. Tratava-se de criaturas violentas e brutas, quando o caso era de seres femininos, eram igualados a mulheres de carater duvidoso. Porém no último século, com as mulheres entrando em áreas que até então era exclusividade de homens, as coisas começaram a mudar também na literatura fantástica.

O último século foi marcado com o destaque da autora americana Anne Rice, que conquistou o seleto clube do Bolinha da literatura fantástica mundial. Alcançando o respeito como autora de literatura fantástica, tanto entre os fãs como entre os próprios colegas de profissão. E por algum tempo, só ela conseguiu não ser tachada de autora de livros feminos, os quais apesar de terem qualidade tão boa, quanto qualquer outro livro, eram e, infelizmente, ainda são vistos como literatura inferior. Por não agradar a maioria da crítica, diga-se de passagem, composta em grande maioria por homens.

No entanto, na década passada, começaram a se destacar algumas dessas autoras e mesmo que seus livros fossem considerados literatura inferior; seja em relação ao foco no público feminou ou no infanto-juvenil, elas conquistaram o mundo e algumas, como J.K. Rowling, conseguiram o respeito merecido.

No Brasil, o preconceito vai além, pois ainda há muitos que não aceitam a literatura fantástica como literatura de qualidade. O que causou uma peculiar reação dos autores do gênero e dos fãs. Uma união entre autores e fãs gerou eventos literários e se prolongou via internet, ignorando completamente opiniões de crítica. Formou-se grupos na internet, assim como sites e publicações de fanzines, tanto convencionais como virtuais e dois dos mais engajados (e antigos) foram, sem dúvida, o de M.D. Amado, site Estronho e Esquésito (www.estronho.com.br) e o de Adriano Siqueira o Adorável Noite (www.adoravelnoite.com).

Em meio a tantos autores talentosos, destacaram-se autoras e personagens com fãs fieis. Não saberia falar de todas, sem achar que esqueci alguém ou se falei o suficiente. Por isso vou usar minha posição de fã, para mencionar as autoras que eu descobri através desse movimento engajado. Primeiro em São Paulo entre essas autoras, eu, como fã, destaco Martha Argel e Giulia Moon, mas vim a descobri recentemente, Nazarethe Fonseca e Laura Elias, autoras que já estão a algum tempo no mercado e que tive o prazer de conhecer suas obras através do trabalho do Contos Sobrenaturais de levar a literatura para as ondas do rádio. Assim como novas autoras, como Vivianne Fair, que teve que investir muito (do próprio bolso) em sua arte para enfim alcançar a atenção das editoras.

Queria mencionar todas, mas aqui no blog há varios post, falando de todas as que conheci, contos, poesia, quadrinhos... Aproveite para conhecê-las.

Na minha opinião, os livros não são só para mulheres. Tem ação, aventura, além de romance. Adoro!

Feliz Halloween!

7 comentários:

  1. Adoro livros assim...e te confesso me apaixonei pelos personagens da Nazarethe e pela pessoa que a autora é, pois tem uma atençao e um carinho com os fãs que achei lindo! Vou aproveitar as ducas das outras escritoras e procurar os livros....

    ResponderExcluir
  2. Eu espero que goste, pois indico o que conheço e adoro, no que diz respeito as autoras mencionadas, sou fã de carterinha. (E dos autores também, os indicados dos sites.)

    :)

    Anny Lucard

    ResponderExcluir
  3. Olá! Olha só minha maior parcela de fãs é femenina,mas tenho fãs no publico masculino também que curtem as lutas de espada e a ação dos livros. Acho que o amor e o livro são duas coisas universais. Basta ler sem preconceito.Beijos mordidos! Amei o post!

    ResponderExcluir
  4. Que bom que gosto do post. :D

    E eu adoro as lutas de espada e a ação dos seus livros, tanto quanto dos romances conturbados. É muito bom!

    Anny Lucard

    ResponderExcluir
  5. Zack sempre terá a consideração dos leitores masculinos, afinal ele também não gosta do Edward. hahaha

    Anny Lucard

    ResponderExcluir