quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Lendas e Mitos I

Os Vampiros Pelo Mundo – Jiang Shi

Quando alguém pensa em vampiros, provavelmente a imagem que lhe vem à mente é a de algum conde da Transilvânia ou adolescentes belos e andrógenos. Mas eles nem sempre são criaturas elegantes, sedutoras e bebedores de sangue. Eles recebem nomes, origens e visuais diferentes em outros países, culturas muito mais antigas que a nossa, lembrando pouco o vampiro habitual. Às vezes mais bestial, mudando quase todo o conceito que conhecemos exceto o principal: sempre é um predador que suga a vitalidade de seres humanos, mesmo que o que chamamos de “vitalidade” mude de um lugar para o outro.

É interessante notar como tantos povos ao redor do mundo falam do mesmo mito. Seriam os vampiros uma total fantasia?

É sobre isso que falarei aqui no Contos Sobrenaturais. Como muitas lendas são antigas e imprecisas, recebendo influência de filmes e contos modernos, é possível que alguns dados sejam exagerados ou de alguma versão adaptada. Portanto, se houver alguma informação da qual você discorde, não hesite em comentar.

Também postarei sobre criaturas que talvez não sejam "catalogadas" como vampiro, mas sim como espíritos, zumbis, etc, mas colocarei aqui devido à similaridade.

Comecemos com o:

Jiang Shi

Na China há uma criatura vampírica, muito comparada com os zumbis ocidentais pelo fato de serem literalmente mortos-vivos. São os "Jiang Shi" (pronuncia-se “chong shi”).

Apesar de não serem tão elegantes e sedutores como os vampiros ocidentais, Jiang Shis são geralmente vindos da nobreza. Surgem em ilustrações e filmes com vestes que remetem à disnastia Tsin Manchu, que governou a China de 1644 a 1912. No entanto, qualquer pessoa pode se tornar um Jiang Shi.

Há diversas versões que contam sobre o “nascimento” de um Jiang Shi. Uma delas diz que um morto revive como Jiang Shi se um gato pular sobre seu cadáver. Outras, falam sobre pessoas que morrem com assuntos não-resolvidos ou mortos que não foram enterrados apropriadamente. É necessário que o defunto seja enterrado em sua terra natal, com as devidas homenagens para que permaneça debaixo da terra. Outra causa da transformação é uma morte violenta ou injusta.

O “vampiro”, então, surge com a pele muito pálida, garras e presas longas e afiadas, cabelos brancos meio esverdeados. Com os corpos em rigor mortis, não conseguem se mover direito e só podem se locomover aos pulos e não podem atravessar a água.

Mas não se deixe enganar, eles são mortais: sua principal característica – e o que os traz a esse post – é sua capacidade de drenar o Chi (ou Ki), ou seja, a essência vital, até que a vítima morra (tornando os Jiang Shin semelhantes ao que conhecemos como psyvamps, sobre os quais falaremos futuramente). Também pode matar com um hálito venenoso e lembremos que suas garras e presas podem fazer um grande estrago. Há algumas versões em que ele também se alimenta de sangue; outras, afirmam que o sangue o paralisa.

Sendo cego, o Jiang Shi localiza-se através da respiração da vítima. Até porque, é dessa forma que ele pode sentir seu Chi. Então, se você se encontrar com um desses, não se esqueça de cobrir a boca e tampar o nariz.

A origem de um Jiang Shi está relacionada às duas almas de cada ser humano: Shen, que é a alma imaterial e emana do etéreo, fazendo parte do Cosmos, e Kwei, a alma substancial que emana da terra. Yang e Yin. Em vida, o Shan é o que chamamos de Chi e o Kwei é chamado P'o. Na morte o Shen, agora chamado Kwan, retorna para o céu e o P'o, para a terra. Mas pode acontecer de o P'o não abandonar o corpo por completo e reanimar o cadáver e até mesmo um simples crânio. Podemos concluir que, como o Jiang Shi retorna sem o Shan, a alma superior, ele precisa roubar o Chi de outros.

Esse vampiro sugador de almas também tem predileção pela vida noturna e precisa voltar ao túmulo para descansar após suas sinistras “refeições espirituais”.

E como combater essas criaturas? Eles podem ser destruídos pelo fogo e combatidos com pergaminhos contendo feitiços escritos com sangue de animais, podendo assim ser paralisados ou controlados.

Mas se não conseguir nada disso, jogue um punhado de arroz na frente dele: o monstro será obrigado a contar os grãos – não me pergunte como, sendo ele cego.

Em breve continuamos essa série sobre lendas vampirescas. Espero que gostem e acompanhem e comentem.

Daniel Cavalcante


Daniel Cavalcante - Editor da Infinitum:
www.editorainfinitum.com.br

Abismo Infinito - Blog da série "Colégio Marista - Crônicas Sobrenaturais":
http://abismoinfinito.wordpress.com

Quadrinize (teoria sobre a arte de contar histórias):
www.quadrinize.com

3 comentários:

  1. Nossa muito interessante este post!!!

    http://conversandocomdragoes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante o post^^ Adorei!
    Espero pela continuação^^


    Abraço!

    ResponderExcluir