segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Entrevista com o autor Ben Green

O Fantastiverso, grupo de autores de literatura fantástica que escrevem sobre os mais diversos seres sobrenaturais; reuniu 6 de seus membros em um evento no Rio de Janeiro mês passado.

Graças a inovadora iniciativa do Novos Escritores, que atualmente leva a zona norte carioca eventos literários de qualidade, tive a oportunidade de conhecer 6 talentos de nossa atual literatura fantástica nacional, numa bate-papo animado na Nobel do Norte Shopping.

Agora trago um pouco mais sobre cada um, em 6 ótimas entrevistas. O segundo autor entrevistado foi Ben Green, que também faz parte do site Novos Escritores (Grupo inovador que a Digital Rio firmou parceria esse mês).

Elaine Velasco, Ben Green, Lu Piras, Edson Gomes, Jessica Anitelli e Livia Lorena.

Ben Green é um engenheiro apaixonado pelas artes. Carioca, é apaixonado pela Literatura Fantástica. Eclético, suas predileções vão desde sua vasta coleção de óperas aos quadrinhos. Escreveu a história de literatura fantástica 'Adormecer do fogo' da Editora Dracaena, que retrata um mundo muito além do passado conhecido, de cultura primitiva e magia.

História passada em gélidas montanhas, onde vive uma tribo de caçadores que acredita no fogo como algo divino e por isso passam uma única chama, de geração para geração. Protegendo seu bem mais precioso, até que um dia a chama é apagada. É quando a guardiã da sabedoria da tribo, fala da lenda sobre o único lugar onde o fogo ainda existia e pelo fogo sagrada, um herói há de surgir e ir a busca da última chama.

ENTREVISTA COM BEN GREEN:

CONTOS SOBRENATURAIS: Como surgiu a ideia para história? Trata-se de uma história já fechada (que você já pensou com começo, meio e fim) ou você se deixa levar pelo ato de escrever?
BEN GREEN: Sempre achei interessante um dos maiores avanços da humanidade: o domínio do fogo. Pesquisei o que isso representava de mudanças no pensamento humano e decidi construir uma história em que o comportamento social fosse profundamente influenciado por esse elemento.
Sou muito organizado e primo pela metodologia. Sempre escrevo um roteiro completo de como vai ser a história. Mas é claro, sempre há espaço para que os personagens vivam e isso eu não controlo de jeito algum. Os detalhes sempre surgem na hora. Quando escrevo, me sinto um músico de Jazz e suas improvisações dentro do tom previamente estabelecido.


C.S.: Qual seu personagem favorito? Tem algum que você gosta mais que os outros, ou que seja homenagem a alguém querido?
B.G.: Ah, sim, eu adoro a Cabelos de Fogo (segunda parte desse livro publicado)! Ela tem uma história forte, intensa, cheia de altos e baixos. Eu há criei há muitos anos e mesmo assim, a trouxe para esse projeto.
Não costumo me basear em uma única pessoa. Uma personagem é alguém completo e nunca se conhece alguém completamente, né? Então para isso, pego o que sei de cada pessoa e misturo em uma nova de uma forma que seja interessante e agradável aos leitores.


C.S.: Porque escolheu escrever uma história de literatura fantástica? E porque da escolha por uma história tribal?
B.G.: Eu amo literatura fantástica. Apesar dos acadêmicos torcerem o nariz, não acho que ela seja tão escapista assim. Na literatura fantástica temos a chance de falar de povos, líderes e monstros sem precisarmos nos preocupar em ofender nenhuma minoria e ao mesmo tempo transmitir a mensagem que queremos de forma que atinja a todos.
Adormecer do Fogo trata da descoberta do que consideramos indispensáveis no dia de hoje. Segurança, fogo e o amor. Para descrever um cenário bárbaro onde nada disso existisse, a vida antiga e tribal me pareceu a mais adequada e cronologicamente possível.


C.S.: Você tem desenhos de seus personagens, foi você que fez ou assim como uma de suas colegas do Fantastiverso, encomendou os desenhos? Se são feitos por você, tem vontade de criar alguma grafic novel no futuro?
B.G.: Tocou na ferida! Rsrs. Quando criança, eu tentei fazer quadrinhos até que um dia descobri que a história era muito superior aos desenhos. Desde então passei a me dedicar ao que sei fazer melhor: escrever. Exatamente por isso, os desenhos foram criados pelo artista Washington Ribeiro, o mesmo que faz para vários outros autores do Fantastiverso.
Uma graphic novel seria realmente um sonho. No futuro, tudo é possível! Vai que eu aprenda a desenhar!


C.S.: Você tem algum novo projeto em vista ou já em andamento? Se tem, também é de literatura fantástica?
B.G.: Sim e sim. Estou trabalhando com um romance infanto-juvenil. É a história de duas crianças que sofriam de grande preconceito. Ele, Mateus, por ser negro e ela, Aisha, por ser filha de alguém que não faz magia. Tudo começa quando Mateus, que é de nosso mundo, vai parar bem na escola de magia que Aisha estuda. A ambientação não poderia ser mais fantástica! Como inspiração, estou bebendo nas lendas árabes (como mil e uma noites) e a mitologia egípcia.


Saiba+: Adormecer do Fogo no Skoob

O autor Ben Green teve o primeiro romance publicado em 2008, 'Praga Imortal', com foco no universo vampiresco. Só voltando a pública esse ano, 2012, lançando pela Editora Dracaena 'Adormecer do Fogo', que é o primeiro livro de uma série chamada Império a Ferro e Fogo.

Site Oficial do autor de Adormecer do Fogo: http://www.adormecerdofogo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário