quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Autor fala sobre a ideia de tornar Abraham Lincoln um caça-vampiros


REVELAÇÕES SOBRE A PRODUÇÃO


Romancista e roteirista Seth Grahame-Smith tem no currículo, o brilhante roteiro adaptado de 'Dark Shadows' e a adaptação sobrenatural de um clássico da literatura mundial o livro 'Orgulho e Preconceito', que na versão que escreveu, virou 'Orgulho e Preconceito e Zumbis'

Seth Grahame-Smith comenta que sua ideia para o livro 'Abraham Lincoln - Caçador de Vampiros' veio de uma observação que fez durante sua turnê em 2009, que promovia seu livro anterior ('Orgulho e Preconceito e Zumbis'). O autor lembra: “Aquele ano foi o bicentenário do nascimento de Abraham Lincoln, e muitas livrarias da minha turnê promocional tinham duas exposições: uma oferecia livros sobre a vida de Lincoln e a outra era composta por livros sobre vampiros (maioria com livros das séries Crepúsculo e Sookie Stackhouse, que inspiraram a série de TV 'True Blood'). Isso me fez querer juntar os dois assuntos.”

No entanto, os vampiros de Seth Grahame-Smith são completamente opostos às figuras românticas impressas nas páginas dos livros que ele viu em exposição. Suas criaturas mortas-vivas observam adequadamente a tradição clássica dos vampiros nos filmes. “Os vampiros do nosso filme não são românticos nem engraçados, e certamente não são atraentes”, observa. “Nossos vampiros são sanguinários e inteligentes. E, o que é mais assustador, fazem parte da vida cotidiana; são ferreiros, farmacêuticos e banqueiros.”

Para intensificar a ideia de vampiros por toda a parte, o principal inimigo dos vampiros é uma das figuras amadas da história americana, alguém que muitos consideram o melhor presidente que aquele país já teve e a história no livro, cobre 45 anos da vida de Abraham Lincoln, de 1820 a 1865, e se passa em Kentucky, Illinois, Louisiana e, evidentemente, na capital do país, Washington, DC, que ainda era construída.

Uma figura importante na vida de Abraham Lincoln é Will, seu amigo e guarda-costas. Curiosamente é um personagem que não existia no livro, mas por ser alguém importante na vida de Lincoln foi incluído no roteiro do filme.

Enquanto Lincoln é interpretado por Benjamin Walker, Will ficou a cargo de Anthony Mackie. O ator inclusive declarou que foi atraído pelo projeto, devido à chance de trabalhar com Timur Bekmambetov e Tim Burton, ambos diretores cujas o trabalho já admirava. “Tim Burton põe um toque mágico em tudo que faz, e desta vez nos traz a uma espécie de submundo que nunca vimos antes”, comenta Anthony Mackie sobre a história. Já para o interprete de Lincoln, o mais importante foi a oportunidade de interpretar não apenas o que fez de Lincoln um gigante, mas também um ser humano como nós. “O perigo de se interpretar alguém tão importante é negligenciar o ser humano”, diz o ator Benjamin Walker. “O personagem deve ter a chance de ser vulnerável ou até mesmo tolo. Felizmente, o Tim e o Timur aceitaram a ideia de fazer um Abraham imperfeito, engraçado e com alguns conflitos.”

Além de Will, uma outra figura importante na vida de Lincoln é sua esposa Mary. E o primeiro encontro deles não é muito glamuroso, acontece num armazém de Springfield, Illinois, lugar comum que dá um grande contraste com a vida secreta e sombria de Lincoln como caçador de vampiros.

“O início do relacionamento de Abraham e Mary parece uma comédia romântica”, diz a atriz Mary Elizabeth Winstead, que interpreta Mary. “São jovens e sentem uma ligação mútua. Ela é atraída por sua inteligência, integridade e humor.” Os sentimentos de um pelo outro crescem durante um memorável piquenique a dois, em que Abraham conta a Mary sobre sua outra vida. Mas, com o dia ensolarado, o clima campestre e o romantismo da situação, o jeito com que Abraham fala do assunto, e por ser uma história absurda, Mary pensa que é uma piada.

Mary não está envolvida na parte sombria da vida de Lincoln. “Sabe que o Abraham esconde alguma coisa dela, mas não pode perguntar o que é”, comenta a atriz que interpreta a personagem.

Já segredos entre Abraham e seu arqui-inimigo Adam existe poucos. O chefe de todos os vampiros É interpretado por Rufus Sewell, é uma criatura de poder quase ilimitado, pelo que Seth Grahame-Smith fala. O autor criou o personagem especialmente para ser o vilão central do filme, pois gosta da ideia de alguém que está vivo há milênios. “Fiquei imaginando como seria viver centenas de milhares de anos, estar vivo desde quando as pirâmides foram construídas”, diz Seth Grahame-Smith. “Que tipo de personalidade teria uma pessoa de vida eterna?”

O Adam é um guerreiro, líder, político e pragmático. Tem formação aristocrática e fazenda no sul dos Estados Unidos, Adam é como um Rhett Butler do mal, uma combinação de elegância e terror. “Seus objetivos são bem comuns em alguns aspectos. Se não levarmos em conta nossas suposições morais, tudo que o Adam quer é um lugar onde ele e seus iguais, possam se sentir em casa. Ele quer liberdade para sua espécie, mas é claro que isso tem um preço horrível a ser pago por muitos”, revela Tim Burton.

Adam quer que Lincoln seja um aliado, não um inimigo. “O Adam, com toda a sua habilidade, é um político e pragmático, muito semelhante ao próprio Lincoln”, observa Rufus Sewell. “E o que é maravilhoso nele, é ter a chance de confrontar Lincoln, guerreiro contra guerreiro e, de certa forma, presidente contra presidente, porque o Adam se considera líder de uma espécie de nação vampira.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário