terça-feira, 30 de setembro de 2014

O Retrato de Dorian Gray


"Não existe livro moral ou amoral.
Os livros são bem ou mal escritos. Eis tudo."


'O Retrato de Dorian Gray' de Oscar Wilde, é o único romance do autor. O britânico ficou conhecido por vários trabalhos entre novelas e peças de teatro, além de contos. Porém só escreve um romance ao longo da vida e foi o suficiente, pois trata-se de um dos mais fantásticos já escritos, o qual mistura fantasia a uma crítica social forte. Tanto que sua primeira publicação, em 1891, considerada ousada para época, foi censurada.

O que não foi surpresa, já que antes de publicar a história do belo Dorian Gray, a narrativa já tinha sido publicada como uma série, na revista literária Lippincott’s, em 1890, em uma versão alterada pelo próprio autor.

Foi em resposta as críticas da época, negativas sobre a história de Dorian Gray, que Oscar Wilde fez sua própria edição para uma publicação em forma de romance, mas ainda não seria a integral.

A versão original de 'O Retrato de Dorian Gray', tirada do original datilografado pelo autor e que nunca havia vindo a público, foi resgatada pelo professor Nicholas Frankel, da Universidade de Virginia, nos Estados Unidos, e publicada tempos depois integralmente.

Logo no início do livro já é revelado o quanto a história é complexa. Iniciando com Dorian Gray como um jovem com menos de 20 anos, de belaza extraordinária, personalidade gentil e prestativo. Com um carisma que encanta a todos, o jovem desperta o interesse do pintor Basil Hallward.

A adoração do pintor pela juventude e beleza de Dorian Gray é tão grande, que ele não quer dividir a atenção do rapaz com ninguém, muito menos com o amigo Lord Henry, com uma fama duvidosa na alta sociedade. O que despertou um interesse incomum de Lord Henry pelo rapaz, pois o pintor falava tanto sobre o senhor Gray, que deixo-o intrigado sobre o rapaz, o qual posava de modelo para uma das pinturas de Basil.

O fato é que Oscar Wilde não poupa palavras quando o assunto é a fascinação de Basil por Dorian, que aos poucos toma também Herny.

'O Retrato de Dorian Gray' não é somente um clássico da literatura mundial, já faz parte do imaginário coletivo e não pela história de amizade, paixão e medos de três homens, mas principalmente por seu tema relevante a qualquer ser humano: a juventude.

A história fala de um jovem que consegue alcançar o que todos desejam, juventude eterna, em um fantástico pacto, onde ao invés dele sofrer os infortúnios da idade, seu retrato pintado teria tal fardo.

Além dos questionamentos sobre as aparências, há o fato que Dorian Gray é um jovem do século XIX que buscava aceitação na alta sociedade londrina. Inicialmente ingênuo, começa a se deixar influenciar pelas filosofias deturpadas de Lord Henry, o que o faz ser levado para um mundo onde só belezas e prazeres importam.

O curioso não é só o fato da pintura absorver a idade do senhor Gray, mas toda a corrupção moral de sua alma, deixando-o livre para viver sem qualquer medo ou culpa das consequências de seus atos, fossem físicos ou morais. Tornando-se uma pessoal totalmente amoral.

No entanto, a atriz Sibyl Vane ainda é um ponto de equilíbrio, mas cabe ao leitor encarar o texto e saber se o senhor Gray irá deixar as palavras corruptoras de Lord Henry o dominar, ou se irá optar pela redenção nos braços da senhorita Vane.

O livro é super recomendado para quem curte texto repletos de nuances e entrelinhas. Diferente da maioria dos textos clássicos, mesmo com uma linguagem mais arcaica, não cansa o leitor ou causa "trauma de clássico". Fora que possui conteúdo sobrenatural no mínimo intrigante, afinal um retrato pintado "magicamente" captura as marcas da idade do protagonista.

CURIOSIDADE: Oscar Wilde foi um dos primeiros a ter coragem de escrever uma obra que questiona o que seria realmente um ato imoral, chocando leitores de seu tempo, ao falar abertamente sobre as escolhas sexuais das pessoas. Também possui uma forte referência a sua própria luta íntima quanto a sexualidade, tão evidente na figura de Dorian Gray que em várias adaptações cinematográfica e também para TV, o personagem é fisicamente parecido com o autor, tendo sua aparência original (a descrita no livro pelo autor, de um jovem belíssimo de cabelos loiros e olhos azuis) ignorada pelos roteiristas.

SOBRE O AUTOR

Oscar Wilde nasceu em Dublin, na Irlanda, no ano de 1854, e além de autor de várias novelas, peças contos e textos dos mais variados, era conhecido por suas críticas e também cinismo em relação a certos assuntos. Usava a literatura como meio de comunicar sua opinião e filosofia.
Entre suas obras há publicações com foco no público infantil, os contos 'O Príncipe Feliz' e 'O Rouxinol e a Rosa', que o autor escreveu para os filhos.
Foi pioneiro na criação de textos de drama e ação.
O sucesso literário foi acompanhado de uma vida boêmia, que o fez ter fama de excêntrico.
Chegando a assumir extraoficialmente que era bissexual e como a homossexualidade era considerada crime na Inglaterra da época, o fato de ter amantes do sexo masculino, mesmo sendo um homem casado e com filhos, acabou levando o autor a prisão. O acontecimento o marcou muito e o fez deixar Londres e ir para Paris.
Três anos depois de sair da prisão, em 1900, Oscar Wilde morrer na capital francesa, aos 46 anos.


Outras dicas de livros, leia+: RESENHAS SOBRENATURAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário