segunda-feira, 23 de abril de 2012

Lenda de São Jorge

Na tradição oral, um padre e soldado romano do exército do imperador Diocleciano, corajoso e devotado, acabou por ser venerado como mártir cristão. Surgia assim a lenda sobre o santo guerreiro São Jorge.

Na hagiografia, São Jorge é um dos santos mais venerados no catolicismo, tanto na Igreja Católica Romana e na Igreja Ortodoxa, como na Comunhão Anglicana. É padroeiro de país como Inglaterra e Portugal. Já aqui no Rio de Janeiro, seu dia é tão celebrado que virou feriado (é extra-oficialmente o padroeiro da cidade, mas o título oficial é atribuído a São Sebastião). Feriado esse que além de festas por toda a cidade, inicia a cada dia 23 de abril do ano com fogos de artifício, que só perde para o Reveillon, o alvorecer de São Jorge, assim como no anoitecer.

São Jorge também é cultuado em religiões afro-brasileiras, onde é sincretizado na forma de Ogum.

História

De acordo com a lenda, Jorge teria nascido na antiga Capadócia, região do centro da Anatólia que, atualmente, faz parte da República da Turquia. Ainda criança, mudou-se para a Palestina com sua mãe após seu pai morrer em batalha. Sua mãe, ela própria originária da Palestina, Lida, possuía muitos bens e o educou com esmero. Ao atingir a adolescência, Jorge entrou para a carreira das armas, por ser a que mais satisfazia à sua natural índole combativa. Logo foi promovido a capitão do exército romano devido a sua dedicação e habilidade. Suas qualidades chamaram atenção e o destacaram entre muitos, o que levou Jorge até o imperador. Aos 23 anos passou a residir na corte imperial em Nicomédia, exercendo a função de Tribuno Militar.

Na corte do Imperador, Jorge testemulhou a crueldade contra os cristãos, parecendo-lhe ser aquele tempo conveniente para alcançar a verdadeira salvação, distribuiu com diligência toda a riqueza, herdada da mãe, aos pobres.

O imperador Diocleciano tinha planos de matar todos os cristãos e no dia marcado para o senado confirmar o decreto imperial, Jorge levantou-se no meio da reunião declarando-se espantado com aquela decisão, e afirmou que os romanos deviam se converter ao cristianismo.

Todos ficaram atônitos ao ouvirem estas palavras de um membro da suprema corte romana, defendendo com grande ousadia a fé em Jesus Cristo. Como Jorge mantinha-se fiel ao cristianismo, o imperador tentou fazê-lo desistir da fé torturando-o de vários modos. E, após cada tortura, era levado perante o imperador, que lhe perguntava se renegaria a Jesus para adorar os ídolos. Todavia, Jorge reafirmava sua fé, tendo seu martírio aos poucos ganhado notoriedade e muitos romanos tomados pelas dores daquele jovem soldado, inclusive a mulher do imperador, se converteram ao cristianismo.

Sem conseguir que Jorge mudasse de ideia, Diocleciano, mandou executá-lo no dia 23 de abril de 303.

O local onde Jorge foi sepultado na Lida (Antiga Dióspolis), cidade onde cresceu junto da mãe, mais tarde, o imperador cristão Constantino mandou erguer um suntuoso oratório aberto aos fiéis, para que a devoção ao declarado santo, fosse espalhada por todo o Oriente.

Lenda de São Jorge, o dragão e a princesa

Já em uma lenda medieval, contam que Jorge era filho de Lorde Albert de Coventry e que sua mãe teria morrido ao dá à luz. O recém nascido Jorge, teria sido roubado pela Dama do Bosque para que pudesse, mais tarde, fazer proezas com suas armas. O corpo de Jorge possuia três marcas: um dragão em seu peito, uma jarreira em volta de uma das pernas e uma cruz vermelho-sangue em seu braço. Ao crescer e adquirir a idade adulta, ele primeiro lutou contra os sarracenos e, depois de viajar durante muitos meses por terra e mar, foi para Sylén, uma cidade da Líbia. Nesta cidade, Jorge encontrou um pobre eremita que lhe disse que toda a cidade estava em sofrimento, pois lá existia um enorme dragão cujo hálito venenoso podia matar a todos. Cuja pele não poderia ser perfurada nem por lança e nem por espada. O eremita informou que todos os dias o dragão exigia um sacrifício, o de uma bela donzela e que todas as meninas da cidade haviam sido mortas e agora só restava a filha do rei, Sabra, que seria sacrificada no dia seguinte ou dada em casamento ao campeão que matasse o dragão.

Ao ouvir a história, Jorge ficou determinado em salvar a princesa. Ele passou a noite na cabana do eremita e quando amanheceu partiu para o vale em busca do dragão. Ao chegar lá, viu um pequeno cortejo de mulheres lideradas por uma bela moça vestindo trajes de pura seda árabe. Era a princesa, que estava sendo conduzida pelas mulheres para o local do sacrifício. Jorge se colocou na frente das mulheres com seu cavalo e convenceu a princesa a voltar para casa.

O dragão, ao ver Jorge, sai de sua caverna, rosnando tão alto quanto o som de trovões e acaba morto por Jorge, que enterra sua lança na garganta do bicho.

O rei teria que dar sua filha em casamento a Jorge, mas como não queria casá-la com um cristão, envia o guerreiro para a Pérsia e ordena que seus homens o matem. Jorge se livra do perigo e rapta a princesa Sabra levando-a para a Inglaterra, onde se casa e vive feliz com ela até o dia de sua morte, na cidade de Coventry.

Em uma outra versão da lenda, Jorge teria acampado com sua armada romana próximo a Salone, na Líbia, onde existia um gigantesco crocodilo alado, que devorava os habitantes da cidade. O bicho impedia que as pessoas entrassem ou saísse da cidade. O hálito da criatura era tão venenoso que pessoas próximas podiam morrer envenenadas, por isso, com o objetivo de manter o bicho longe dos habitantes, a cada dia ovelhas eram oferecidas e quando acabaram, passaram a sacrificar as crianças.

O sacrifício caiu então sobre a filha do rei, Sabra, uma menina de quatorze anos. Vestida como se fosse para o seu próprio casamento, a menina deixou a muralha da cidade e ficou à espera da criatura. Jorge fica sabendo da história e decidiu pôr fim ao episódio e foi até o reino resgatá-la. Porém, antes fez o rei jurar que se a trouxesse de volta, ele e todos os seus súditos se converteriam ao cristianismo. Após tal juramento, Jorge partiu atrás da princesa e do "dragão". Ao encontrar o bicho tenta matá-lo com sua lança, mas cai do cavalo. Ao ficar pronto para lutar novamente, Jorge acerta a cabeça do "dragão" com sua poderosa espada Ascalon. O dragão derrama então o veneno sobre ele, dividindo sua armadura em dois. Jorge amarra uma corda no pescoço do bicho e o arrasta para a cidade, trazendo a princesa consigo. A princesa, conduzindo o dragão como um cordeiro, volta para a segurança das muralhas da cidade. Lá, Jorge corta a cabeça do dragão na frente de todos e as pessoas de toda cidade se tornam cristãs.

A lenda na verdade é um simbolismo, onde o dragão seria a representação do demônio e dos cultos a idolatria, que não fosse o cristianismo e a princesa seria o reino que o cristianismo dominou e eliminou os hereges.

CURIOSIDADES
-Durante a Grande Guerra, muitas medalhas de São Jorge foram cunhadas e oferecidas aos enfermeiros militares e às irmãs de caridade, que se sacrificaram ao tomar conta dos feridos de guerra.
-Nas artes a imagem de São Jorge é amplamente divulgada. Em Paris, por exemplo, no Museu do Louvre, há um quadro famoso de Rafael, intitulado São Jorge vencedor do Dragão e na Itália, existem diversos quadros célebres, como um de autoria de Donatello. E a imagem brasileira do santo seria, possivelmente, de autoria de Martinelli.
-É imortalizado no conto em que mata o dragão e também é um dos Catorze santos auxiliares.


Fonte:
http://pt.wikipedia.org/wiki/São_Jorge

Nenhum comentário:

Postar um comentário