quarta-feira, 15 de março de 2017

#ABelaEAFera


A nova onda dos filmes live actions inspirados por animações famosas da Disney parece que não vai parar tão cedo. Depois de 'Malévola' (2014), 'Cinderella' (2015) e 'Mogli - O Menino Lobo' (2016), agora é a vez do filme inspirado na animação de 'A Bela E A Fera' (1991) dirigido por Gary Trousdale e Kirk Wise. Mas em A Bela E A Fera (2017) dirigido por Bill Condon, temos uma adaptação fiel ao desenho apesar de ter tomado a liberdade poética de criar sua própria história e assim dar um pouco mais de profundidade para alguns personagens mostrando um pouco de seu passado e background.

Bela (Emma Watson) vive na França com o pai Maurice (Kevin Kline), um brilhante inventor mas que todos no vilarejo onde vivem o acham maluco enquanto acham sua filha estranha por não se adaptar ao lugar e gostar de ler. O homem mais bonito da vila, o atraente e egocêntrico Gaston (Luke Evans) acha que só Bela está a altura de se casar com ele e pretende torná-la sua esposa, custe o que custar com a ajuda de seu fiel escudeiro LeFou (Josh Gad). Quando Maurice sai em uma viagem para mostrar uma de suas invenções, ele acaba se perdendo em uma floresta e parando em um castelo encantado onde é aprisionado por uma Fera (Dan Stevens) que foi um príncipe humano uma vez antes de ser amaldiçoado por uma feiticeira por se recusar a enxergar somente o seu exterior. Bela vai ao seu auxílio e sugere trocar de lugar com o pai se tornando assim, prisioneira da Fera. Os empregados da Fera que se tornaram objetos encantados, esperam que a garota seja a responsável por quebrar o feitiço já que ele se quebrará quando a Fera amar alguém e ser amado de volta.

Dirigido por Bill Condon e roteirizado por Stephen Chbosky e Evan Spiliotopoulous, o novo live action da Disney conseguiu pegar o roteiro original do clássico desenho de 1991 e ainda assim adaptar a história dando novas nuances e backgrounds para os personagens que ganham mais profundidade nesse longa. Descobrimos um pouco mais sobre o passado da Fera quando era um príncipe mimado e que adorava dar festas no século XIV e também sobre a mãe de Bela e o que aconteceu com ela. Os Objetos Encantados do castelo da Fera continuam sendo um show a parte, com destaque especial para o trio formado por Lumiere (Ewan McGregor), Cogsworth (Ian McKellen) e Mrs Potts (Emma Thompson) que como sempre roubam a cena, especialmente Lumiere.

E se no desenho algumas sequências musicais já eram divertidas de se ver, no filme é preciso olhar com mais profundidade e atenção devido aos detalhes e trabalho minucioso feita pela produção de arte para reproduzir com fidelidade ou o mais próximo dela a cena em questão. Destaque especial para as músicas Belle, Gaston e Be Our Guest. Especialmente a última por se tratar de um número musical com objetos animados. As coreografias de algumas sequências musicais também estão muito bem trabalhadas, especialmente a da música Beauty and the Beast, uma das mais importantes do filme.

O figurino também está muito bem cuidado e surpreende em cada ocasião. Desde os figurinos do começo do filme onde a Fera, ainda um Príncipe Humano dá um baile no estilo dos bailes do século XIV com direito a perucas e vestidos volumosos muito comuns nos bailes e festas daquela época, assim como as roupas usadas pelos personagens do vilarejo onde Bela mora com seu pai. Alias, os próprios vestidos usados por Bela ao longo do filme são lindos e parecem ter saído do desenho já que ficaram bastante parecidos com a versão original com destaque especial para o famoso vestido de baile amarelo em que Bela tem sua dança com a Fera no salão principal do castelo.

O filme conta com um elenco estelar nos papéis que conhecemos da animação. Emma Watson da saga Harry Potter dá vida a Bela e está muito bem no papel pois além de interpretar ela também canta já que o filme também é um musical tão qual o desenho. A Bela de Emma embora um pouco diferente da do desenho, tem também o seu valor porque ganhou uma roupagem nova para o filme. Ela é mais corajosa e destemida especialmente em algumas cenas novas criadas para o filme. Destaque vai também para Dan Stevens e Luke Evans que também tem números musicais solos e duetos. Luke Evans ficou perfeito como Gaston, que parece ter saído do desenho mesmo. Já a polêmica envolvendo o LeFou de Josh Gad que foi anunciado como o primeiro personagem gay da Disney e como consequência tiveram alguns boicotes na internet e em alguns cinemas no mundo se recusando a exibi-lo. Mas o personagem está sutil e muito bem inserido no contexto da história, mesmo porque visa lembrar que é um filme da Disney e nada mais explícito poderia ser mostrado não é mesmo? A Fera de Dan Stevens também ficou ótima, especialmente quando ele começa a relaxar e ficar mais amável com Bela quando eles começam a formar o elo de amizade.

A trilha sonora trás de volta as famosas músicas já conhecidas do público que cresceu com a animação mas com alguns novos arranjos (que incluem do musical da Broadway) e até algumas novas letras. Também temos três músicas originais como Days in the Sun, Everymore e How Does a Moment Last Forever (cantado por Celine Dion nos créditos finais). Destaque para Everymore cantada por Dan Stevens que faz uma performance inesquecível digna de um musical da Broadway, sem dúvida nenhuma a melhor das canções originais.

O filme além de ser uma adaptação ao longa animado da Disney também homenageia outras versões do conto de Madame Jeanne-Marie LePrince de Beaumont  como o filme dirigido por Jean Cocteau de 1946.

'A Bela E A Fera' está sendo distribuído pela Walt Disney Studios e estreia amanhã, dia 16 de março, nos cinemas em cópias 2D e 3D.


Leia+: #CinemaSobrenatural
Leia também: CONTOS SOBRENATURAIS NA CABINE

Para outras críticas: Dicas de Filmes Sobrenaturais

Para mais críticas de Louise Duarte, parceira do Contos Sobrenaturais, visite o Portal Tabula Rasa:
http://tabularasa.com.br/category/entretenimento/cinema/criticas/

Nenhum comentário:

Postar um comentário