segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Dia do Vampiro em São Paulo

Quando soube da criação do Dia do Vampiro na cidade de São Paulo, através do Adorável Noite, não pensei muito a respeito, só que queria que tivesse um dia desse aqui no Rio de Janeiro também. Porém o dia não é só uma comemoração para quem curte vampiros desfilar a caráter, é um dia de solidariedade, confraternização e também de amizade.

Só participando, indo até São Paulo e conhecendo as pessoas incríveis que apoiam o dia, para entender plenamente a data e o que é um fã de vampiro de verdade.


Porque um fã de vampiro não é uma pessoa do mal, como autoridades (e pessoas desinformadas) costumam tachar. Dizendo que alguns malucos homicídas, por usarem preto ao cometer crimes, só podem ser fãs de vampiro, roqueiros, satanistas e outras barbaridades sem fundamento.

Verdade que os fãs de vampiro gostam de falar do oculto, do sobrenatural e nos vestimos de preto na maioria das vezes. Porém também trabalhamos, pagamos nossas contas como todo mundo, temos famílias e o que mais gostamos de fazer com os amigos, é mesmo falar de literatura, poesia, TV e cinema. Não cometemos crimes por ai.

E é nesse espírito maravilhoso que a cada ano, o pessoal se reune no dia 13 de agosto em São Paulo. Para falar de vampiros, literatura, artes em geral e também para ser solidário e doar sangue.

Sendo que esse ano, parte da turma vamp se dividiu, pois o dia caiu não só em uma sexta-feira 13, mas também no dia da abertura ao público da Bienal Internacional do Livro em São Paulo. E o Contos Sobrenaturais estava lá no Parque de Exposições Anhembi com parte do pessoal, enquanto nosso parceiro, o Adorável Noite, estava na Avenidada Paulista com a outra parte.

Parque de Exposições Anhembi
by @Kamposss

O Dia do Vampiro começou com Adriano Siqueira lá no Masp, junto de Liz Vamp, enquanto eu ainda estava engarrafada na entrada de São Paulo, seguindo para a Bienal que seria a mais vampiresca de todas. Abrindo suas palestras no Salão de Ideias com o lendário cineasta, criador e interprete do Zé do Caixão (e pai de Liz Vamp), o José Mojica Marins.

Liz Vamp falou um pouco sobre o Dia do Vampiro ao Adorável Noite, que gravou a entrevista.

Veja a entrevista com Liz Vamp para o Adorável Noite:

Eu consegui chegar a tempo e a primeira coisa que vi na Bienal foi o pessoal fantasiado. Tinha cosplays de animes aos personagens clássicos como Alice, Harry Potter e até Stormtrooper de Star Wars. Corri até o Salão Ideias para pegar uma senha para a palestra de Mojica e fui passear um pouco pela Bienal, tentando ser forte para não comprar nada, pensando no peso. Compras só na Bienal do Rio mesmo. Multifoco era uma tentação só, Idea também e ainda tinha os livros da Draco no stand. Porém quase me perdi foi na Editora Alaúde, ao me deparar com a coletânea Necrópole, mas achei melhor comprar depois pela Tarja Livros.

Só que não pude me demorar no passeio e logo estava de volta ao Salão Ideias. Enquanto esperava, pude ver o trabalho cuidadoso do pessoal da Bienal de São Paulo, ao decorar o lugar com imagens de Clarice Lispector.

Salão de Ideias
by @annylucard

O salão estava lotado e sua grande maioria era de adolescentes. Sempre bem humorado Mojica já chegou abalando. (Ele deu um susto no pessoal, antes de começar o bate-papo.) O bate-papo decorreu com muitas risadas e alguns sustos e "maldições". Afinal o Zé do Caixão sempre tem que amaldiçoar alguém, já é de praxe.

José Mojica Marins
by @annylucard

Depois da palestra de Mojica, marquei de ir ao stand da Scortecci Editora, onde ia conhecer o jovem autor de Poços de Caldas em Minas Gerais, Karlo Campos (@Kamposss) do livro vampiresco Vinganças de Sangue. Na saída do Salão Ideias tive uma agradável surpresa, encontrei com as duas das minhas autoras brasileiras mais queridas (que já tinha conhecido na Bienal do Rio), a Martha Argel e Giulia Moon. As duas fariam a próxima palestras, junto com André Vianco.

Um rápido bate-papo com as duas e eu fui para o stand Scortecci. Já saindo a desfilar com meus botos de Kaori e Amor Vampiro pela Bienal, dado por Martha e Giulia. Kampos é uma simpatia. Seu livro Vinganças de Sangue tem uma temática vampiresca com um fator curioso. Mesmo que seja ambientado em sua cidade (Poços de Caldas), o nome da cidade não é mencionado. A ideia do autor é que o leitor tenha a chance de transportar a trama do livro para o lugar onde mora. O que tornar tudo assustador, pois pensar que o perigo mora ao lado e não numa cidade muito, muito distante; vai causar mais tensão, na minha opinião. Achei incrível tal ideia.

Karlo Campos
by @annylucard

De volta ao Salão de Idéia acompanhada de Ren, fã do André Vianco (assim como eu e Kampos), a qual conheci no stand da Scortecci; tive a chance de constatar que na platéia, a lendária Flavia Muniz (autora de Os Noturnos) estava prestigiando os autores.

Karlo Campos e Ren
by @Kamposss

Eu não consegui tirar uma foto legal de onde estava, infelizmente, mas Flavia Muniz foi entrevistada pelo Adriano Siqueira para o Adorável Noite. (E ele não resistiu a uma tietagem, mas eu o entendo perfeitamente, pois fiz o mesmo ao encontra-lo pessoalmente, com a Nazarethe Fonseca... Ok, estou me adiantado no post.)

Flavia Muniz está sentada usando verde.
by @annylucard

Veja a entrevista com Flavia Muniz para o Adorável Noite:



Em um bate-papo super animado, os autores responderam várias perguntas. Entre elas algumas saias justas como o que o André Vianco achava de Crepúsculo. Com bom humor, Vianco encarou a pregunta com bravura e se saiu bem, diante dos fãs de Crepúsculo de cara feia no recinto.

"Se vampiros existissem, Crepúsculo seria um conto de fada para vampiros", diz Vianco.

Martha Argel, Giulia Moon e André Vianco
by @annylucard

Martha Argel falou um pouco de sua vampira Lucila e do relançamento de Relações de Sangue, além do fato de não ter nenhuma vampira marcante, entre a enorme lista do vamp-clube do Bolinha... E eu não resisti a resmungar da platéia, que era só por não conhecerem a Lucila (personagem do Relações de Sangue), ainda. Eu conheço a personagem desde a primeira edição do livro (Bom, na verdade, antes disso, pois acompanhava as aventuras de Lucila por São Paulo, através de uma lista de escritores que eu participava, junto com Martha Argel e também Giulia Moon.) e quando digo que Lucila não deixa nada a desejar para Lestat, Drácula e companhia, falo muito sério. Porque na época que comecei a ler literatura vampiresca, as poucas vampiras existentes eram mais deprimidas por sua existência que outra coisa e não dava para ficar fã de ninguém tão deprê. (Só o Louis de Anne Rice, mas ele é gato.) Já Lucila é como Lestat, ela abraçou a imortalidade e aprendeu a ser a melhor vampira que podia ser... "Melhor" eu digo, no sentindo vampiresco da palavra, não creio que Lucila iria sair a caça de Bambis, ou qualquer outro bicho no mato. Afinal ela mora em São Paulo e se meter na mata próxima, significaria arrumar problema com o vampiro da mata Atlântica e ai Martha teria problema em casa com suas duas adoráveis crianças da noite.

Giulia Moon revelou que seu pseudônimo trata-se de um nickname de internet, escolhido por gostar da sonoridade do nome italiano Giulia, junto com o fato de adorar a lua ("Moon" em inglês significa "Lua"), não tendo nada a ver com seu nome verdadeiro. Também falou de sua descendência japonesa e o quanto ela influenciou seu livro Kaori - Perfume de Vampira, que logo terá uma continuação. (E eu espero que seja lançada até a Bienal do Livro do Rio, quero ser novamente a primeira da fila de autógrafos no stand da Giz Editorial.)

Os três autores também falaram dos primeiros livros de suas vidas. Enquanto André confessa que não lembra do nome do livro, mas tratava-se de uma história sobre um bicho que comia tudo que via na frente, Giulia Moon revela que não sabia português e seu primeiro contato com a literatura foi com o conto de fadas japonês Princesa da Lua. Enquanto Martha já mostrava o que seria quando crescer, tendo Bambi como seu primeiro contato com a leitura. (As palestras no Salão de Ideias estão no canal da Bienal SP em partes, inclusive a de Martha Argel, Giulia Moon e André Vianco. Links das partes no ar: 1 2 3 4 5 6 9)

Depois da palestra, André Vianco seguiu para o stand da Novo Século para autografar seus livros. Eu não fui até lá, pois já tive a chance de ter vários dos meus livros do Vianco autografados no Rio, mas Kampos e Ren foram.

André Vianco e Ren
by @TheInfamousRen


André Vianco e Karlo Campos
by @Kamposss

Eu fui para o stand da Giz Editorial, onde Giulia Moon me apresentou a todos por lá. Pude conversar e falar do meu trabalho de levar a literatura para as ondas do rádio, através de audiocontos, com quem adora o que faz tanto quanto eu. O pessoal da Giz, Maya, Juliana e Simone foram uns amores.

Estavam lá autografando quando eu cheguei, os autores Nelson Magrini e J.Modesto. O Magrini eu sabia que estaria na Giz, pois estava autografando seu novo livro, Os Guardiões do Tempo, mas o J.Modesto foi uma surpresa. Ambos adoráveis por sinal. E pude conhecer a capa nova do Trevas do J.Modesto, segunda edição, que o autor autografava. A capa ficou linda!

Nelson Magrini, J.Modesto e Adriano Siqueira
by @annylucard

Tanto J.Modesto, como Nelson Magrini estão em uma das minhas antologias favoritas, Amor Vampiro (Giz Editorial), junto com a Martha Argel, a Giulia Moon, o Adriano Siqueira, o André Vianco e a Regina Drummond. Alias, a Regina também apareceu por lá e consegui seu autógrafo no meu Amor Vampiro também, como do Adriano, J.Modesto e Magrini (agora só falta o Vianco, pois Martha e Giulia já autografaram ano passado), mas foto dela não consegui. A máquina arriou a bateria... Na próxima, compro uma dúzia de pilhas duracell que é melhor.

Veja a entrevista com Regina Drummond para o Adorável Noite:



No stand da Giz também se encontrava vários outros autores, entre eles o Sérgio Pereira Couto de Help – A Lenda de um Beatlemaníaco (Editora Idea), que descobri ter o Renascimento - A Lenda do Judeu Errante pela Giz Editorial, o qual fiquei bem curiosa para ler. Além da queridíssima Nazarethe Fonseca... Gente, eu simplesmente adorei conhecê-la pessoalmente e ela me trouxe um presente, feito pela irmã dela, que eu amei. (Especialmente por ser um cãozinho.) Eu só queria ter tido mais tempo para conversar, falar de Kara e Kmam, do meu querido Ariel... Agora mais que nunca, quero que Nazarethe venha para a Bienal do Rio. (Eu disse que fiquei de tietagem, não disse?)

A Nazarethe estava autografando lá na Giz, pois seus livros eram vendidos pela Livrus. Alias, haviam vários títulos dos autores da Giz, mas de outras editoras na Livrus e muita gente interessante indo e vindo. Conheci o Fernando (@erlantz) do site http://erlantz.net (Graças a ele garanti fotos com meus autores queridos. Essas estão no Queen of the Spoilers) e também o criador das capas de Relações de Sangue, Renascimento e Help entre outra, o Rafael Victor. E acabei não saíndo do stand da Giz até a hora de ir embora.

Nazarethe Fonseca, Nelson Magrini, J.Modesto e Giulia Moon
by @annylucard

A agitação no stand da Giz não parava, eram vampiros por todos os lados, autores e fãs. Giulia Moon autografou o seu Kaori - Perfume de Vampira e também o Amor Vampiro.

Giulia Moon
by @annylucard

Nazarethe Fonseca, além de autografar o mais novo lançamento de sua editora, a Aleph, o livro Kara e Kmam - Segredos de Alma e Sangue e os outros livros de sua saga, também falou com o pessoal da Rede TV.

Nazarethe Fonseca
by @annylucard

A Nazarethe também foi entrevistada pelo Adriano Siqueira para o Adorável Noite.

Veja a entrevista com Nazarethe Fonseca para o Adorável Noite:



Stand Giz Editorial
by @annylucard

Martha Argel não parou de autografar o Relações de Sangue, mas entre um autógrafo e outro, revelou aos fãs presentes, que o pessoal da Giz já está com o Amores Perigosos e isso causou um sopro de esperança aos que, como eu, esperam pela tão sonhada continuação a quase uma década.

Martha Argel
by @annylucard

Infelizmente por conta do transito tumultuado de São Paulo, não tive a chance de ir a sessão de autógrafos do livro Lázarus da Georgette Silen, pois fui aconselhada a sair cedo. E foi meu único lamento no dia incrível que tive. Só não fiquei mais chateada, com a história de ter que sair cedo da Bienal, porque o autor Dacre Stoker, sobrinho-bisneto de Bram Stoker (criador do Drácula), não pode ir. Quem sabe ano que vem ele vem na Bienal do Rio.

São Paulo não tem o Bope para colocar ordem, mas a segurança do Anhembi estava garantida.

Stormtrooper pelos corredores da Bienal
e o Homem de Ferro num dos stands.
by @Kamposss


Nota:

Agradeço @Kamposss
e @TheInfamousRen pelas fotos complementares do post. (Valeu!)

Grata também a Maya, Juliana e Simone da Giz Editorial pelo convite. (Vocês são ótimas!) E olha algumas das novidades para os próximos kit-brindes da rádio Digital Rio.
E agradecida ao @adrianosiqueira pelas entrevistas. (Foi muito legal te conhecer pessoalmente!) Há várias outras entrevista, com autores brasileiros de literatura fantástica, no canal http://www.youtube.com/user/adrianoss, como as entrevistas com a @viviannefair e @Kamposss na Bienal SP 2010; além de outras anteriores, como as de @spereirac, @georgettesilen @NelsonMagrini @MarthaArgel e @giuliamoon entre outras bem interessantes.

3 comentários:

  1. Oi, Anny!

    Belo post, muito bom. E foi ótimo você ter permanecido no estande da Giz e ter tirado tantas fotos. Foi um prazer conhecê-la.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Oi Anny!Adorei o post, ficou maravilhoso!Melhor ainda conhecer você que é o anjo da guarda dos autores de fantasia, meu muito obrigada e beijos mordidos!

    ResponderExcluir
  3. Grata pelos comentários, tweets e mensagens. Estou feliz em ajudar a divulgar nossa maravilhosa literatura fantástica, seus autores incríveis e com isso incentivar a leitura em nosso país.

    ResponderExcluir